• Daniel Silva

Construa ideias com protótipos

Atualizado: há 6 dias


Imagine que você é um designer, está projetando uma cadeira de trabalho e tem um projeto incrível na sua mente. Então você começa a colocar a mão na massa, prepara a madeira, retorce o aço e após um longo período de trabalho, você descobre que é impossível ficar sentado nesta cadeira por mais de 5 minutos.


Ela é desconfortável, te deixa em uma posição estranha, dá dor nas costas, enfim, trabalho jogado fora.





O mesmo ocorre com os produtos digitais, quando lançamos algo apenas por achar que é legal ou bonito, e não avaliamos a ideia e o impacto que ela poderá trazer. Para isso servem os protótipos.


Não existe design sem protótipo. Prototipar faz parte da busca pela melhor forma, melhor interação, experiência, e é uma etapa essencial para criação de um bom design; e um bom designer.



Quer que eu desenhe?


A forma mais prática, rápida e barata de se começar é com lápis e papel.


"The best way to have a good idea is to have a lot of ideas" (Linus Pauling)
Tradução: A melhor maneira de ter uma boa ideia é ter muitas ideias

A praticidade do papel e caneta permitirão que em pouco tempo você consiga elaborar diversas versões de uma ideia ou projeto. Refinamentos também poderão ser realizados pois, ao tangibilizar a ideia no papel, você terá mais clareza das conexões necessárias, ajustes no fluxo, estrutura, etc.


Também é uma maneira muito prática para transmitir uma ideia para outras pessoas. Um esboço, por mais rústico que seja, pode auxiliar a tornar conversas mais objetivas e definir melhores caminhos.


Se precisar de algo mais elaborado, um wireframe pode auxiliar. Neste modelo, as ideias são um pouco mais elaboradas, trazendo uma estrutura mais próxima do que pode ser uma versão final, porém sem preocupações de layout, cores, fontes, etc. Permitindo, ainda, ajustes rápidos e com baixo esforço investido.



Subindo de nível


Um protótipo pode representar ou até simular um produto real, contendo fluxos complexos e permitindo interação do usuário. São os protótipos de alta fidelidade.


São muito utilizados para simular situações reais, como em testes com usuários, por exemplo, onde novas funcionalidades podem ser avaliadas antes de serem produzidas. Estes, por serem mais complexos, exigem um esforço maior e conhecimento técnico para a produção e possíveis ajustes.



Fonte: Exemplos recentes de wireframes do I Love Wireframes. Fabrício Teixeira. Medium | 2013.

Aliás gente, já corre lá no Medium e segue o Fabrício ; )


Fonte: Wireframese Protótipos: testando o Figma. Daniela Castro. Medium | 2019.


Tudo vai depender da sua necessidade


Alguns fatores como prazo e custo, podem te auxiliar a entender que tipo de protótipo utilizar e quando. Mas o mais importante é conhecer o momento do projeto, seu público e suas expectativas. Criatividade também é sempre um ingrediente bem vindo:


Em meados de 2007, Drew Houston, fundador e atual presidente executivo do Dropbox, precisava apresentar sua empresa para uma rodada de investimentos, porém tudo ainda não passava de uma ideia.


Hoje o que o Dropbox faz, e diversas outras empresas que surgiram após ele, está claro para grande parte das pessoas, mas na época era um conceito novo. Então, como apresentar um produto que não existe e ainda representa um conceito novo?


A solução foi criar um protótipo animado, em vídeo, simulando exatamente a experiência esperada e, como todos sabemos, deu muito certo.


Assista ao Vídeo sobre a demonstração, ou demo, da plataforma Dropbox:




Sabia que no Design Thinking existe uma fase sobre prototipação?


Quer saber mais, leia o artigo "O que é Design Thinking?"



0 visualização0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
  • Twitter
  • Facebook
  • Instagram - Cinza Círculo
  • LinkedIn - círculo cinza

© 2018 BIBLIOTHINKING. Todos os direitos reservados.

 

 

 

A gente adora o que faz!