Como cortar palavras dos textos: revisar e editar

Atualizado: há um dia

Por Luciano Melo e Lygia Canelas


Não é necessário explicar ou descrever tudo ao leitor, pois muita coisa pode ser subentendida numa única palavra, frase ou parágrafo. Por isso, durante a elaboração de um texto, tenha sempre em mente que serão necessárias duas coisas: revisão e edição.


Não estou falando apenas de corrigir possíveis erros, mas de cortar ou trocar palavras até que só permaneça no texto o que for necessário.


Isso mesmo, da mesma forma que aparamos galhos, folhas e ramos inúteis de uma planta. Quando a poda é bem feita o texto tende a crescer vigorosamente em relação a sua objetividade, clareza e concisão.


Dar forma ao texto


Na jardinagem falamos de poda de forma que é quando você retira os ramos, galhos e folhas com o objetivo de modificar a aparência da planta. Você poderá dar-lhe uma forma, como em uma escultura. Nesse caso, o crescimento da planta acontecerá de forma ordenada.


Para isso acontecer, basta pegar a tesoura, usar um pouco de criatividade e lembrar que: escrever é cortar palavras.


Ninguém sabe ao certo quem disse isso, mas é verdade. Outro mandamento:

Predomine o uso substantivos, porém use com moderação adjetivos e advérbios (e muito cuidado com os que terminam em -mente).



Exemplos


“Com raiva, Camila saiu e fechou a porta bruscamente.”


Por que bruscamente? Já não foi informado que ela estava com raiva? Que tal enxugar essa frase sem perder o sentido:


“Camila bateu a porta.”

A informação de que Camila bateu a porta — e não só a fechou — por si só distingue a condição emocional dela. Outro exemplo:


“Pedro, de quase dois metros, entrou na sala. Ele era enorme como um touro.”


Cansativo, não? Vamos resumir a ideia com uma pitada de ação:


“Pedro curvou-se para desviar do batente”.

A simples menção de que Pedro curvou-se ao passar pela porta já remete a sua altura.


Temos exemplos menos literários aqui também. Vamos complicar um pouco mais as coisas (ou melhor, descomplicar), veja:


“Segundo dados recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 60% da população mundial não é fisicamente ativa o suficiente a fim de garantir os benefícios advindos dos exercícios físicos”.


Não há clareza nesse texto, com certeza você precisou ler duas vezes ou mais. Pois, bem! Então observe a mágica que as jornalistas Dad Squarisi e Arlete Salvador fazem quando podam tudo o que é inútil na frase.


“Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 60% da população é sedentária.”

Aqui o adjetivo sedentária fez um excelente trabalho, cortou praticamente tudo o que falava, falava e não dizia.


Nos textos científicos também é possível pecar e muito.


“O profundo conhecimento dos hábitos e específicas necessidades dos potenciais grupos de usuários de um espaço habitável será de inestimável valor para que, ao se elaborar o projeto, se atinja o objetivo de conferir ao usuário o domínio sobre o uso do produto adquirido — sua moradia — para que esse lhe seja de fato prazeroso, seguro e responsável por um verdadeiro progresso na qualidade na vida de seus usuários, ou seja, o conforto doméstico.”


Veja depois de uma boa jardinagem de Squarisi e Arlete:


O conhecimento dos hábitos e necessidades dos moradores é fundamental para a elaboração de projeto arquitetônico de apartamento confortável.”

Outra mania que temos é o de grudar duplas de verbos para dizer algo quando, na verdade, podemos usar uma palavra mais específica.


Aqui seguem algumas duplas que você já deve ter visto saltitando em seu jardim:


“Este projeto pretende discutir o impacto causado pelas mudanças de layout”.


A língua portuguesa é rica, basta encontrar a palavra que diz o que se precisa e pronto:


“Este projeto analisa o impacto causado pelas mudanças de layout”.

“Joana deve anunciar seu novo cargo para a equipe após a reunião”.


Vamos te ajudar Joana:


“Joana anunciará seu novo cargo após a reunião”.

E se alguém quiser “por ordem nas ideias”, “fazer um discurso”, “ver a beleza da vida”, ajude essa pessoa com essas locuções mais adequadas:


Ordenar as ideias
Discursar
Admirar a vida

Bora que estamos inspirados hoje, mais um exemplo:


“Este regulamento disciplina o funcionamento da Biblioteca X. As normas deste regulamento têm o objetivo de disciplinar as relações de natureza organizacional e as de âmbito administrativo com todos os usuários.”


O que tudo isso quer dizer? Talvez seja:


Este documento apresenta as normas de funcionamento da Biblioteca X”.



Escrever de forma simples é uma técnica que por si mesma permite a criação de um texto mais conciso, claro e objetivo, leia mais em Linguagem clara: o que isso tem a ver com UX?

82 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo